Amor Platônico.

Que atire a primeira pedra o indivíduo santo que nunca, nunca, nunca gostou tanto de alguém que perseguiu essa pessoa em todas as redes sociais possíveis, virou noites e mais noites pensando nela, xingou todas as suas almas, de todas as encarnações, por ela ser tão perfeita aos seus olhos que seria impossível não se apaixonar e ficou dando "f5" na página do twitter toda vez que ela twittava alguma coisa. Sério, nenhum ser humano deixou de fazer isso.
A parte chata de amar alguém que não te corresponde é que esse alguém que você ama não te ama. (Avá, Li.) E você quer tanto, mas tanto, mas tanto que esse raparigo ou essa moçoila te ame, cuide de você ou pelo menos te note, que você se transforma em um idiota.
Ser humano gelado e sem sentimentos que eu sou (ou era?), comecei a descobrir o lado bom e o lado ruim do chamado "amor platônico" tem pouco tempo. Tá, já fazem alguns meses, mas não são tantos que se podem chamar de muitos. Enfim. O fato principal é que eu entendi o básico de amar alguém que não te ama de volta.
Tipo, eu passo o dia ouvindo música romântica, entro no facebook e no msn com o intuito de vê-lo (e eu sei que ele não vai estar lá, aliás), falo com todos os meus bichinhos de pelúcia, explicando o quanto ele é importante e o quão apaixonada estou, penso em nós, ouço mais música, penso mais. E aí, eu choro.
E então chega a madrugada, o ser amado entra e eu, toda animada, como se não existisse outra pessoa no universo para conversar ou como se eu simplesmente fosse uma desocupada, abro o chat e falo um "oi" tão feliz e cheio de "o" que ele deve se assustar. Mas aí ele responde: "oi. (: tudo certo?" e eu digo: "KKKKKKKKKKKKKKKKKKK tudo ótimo, e com você?"
E os momentos em que ele conta uma piada, por mais ridícula que seja (no estilo: "Era uma vez um pintinho que não tinha bunda. Soltou um pum e explodiu"), eu escrevo tantos "k"'s que essa tecla trava! Sério, essa porcaria para de funcionar, e eu tenho que parar de rir.
Mas, sendo bem honesta, amor platônico é uma das coisas mais engraçadas e constantes que vão acontecer na vida de um ser humano. Todo mundo tem uma boa história por causa de um amor platônico tosco, de uma burrada que vez, de um escorregão que estragou todas as chances.
Eu odeio estar apaixonada, odeio o amor platônico, mas eu bem que me divirto. E, embora eu duvida que vá de fato dar em alguma coisa, se nós dois um dia formos mais do que simples colegas (ele sendo o cara descolado e eu a palhaça pateta), eu vou poder olhar para ele e falar: "Sabia que você me amava e não sabia disso ainda."
Mas, amores por amores, corações partidos por corações partidos e conversas tensas por conversas tensas, eu prefiro mais é ficar quietinha na minha, abraçada com o meu ursinho, escrevendo textos românticos.
E é isso aí.

Com um pouco de amor, porque o resto é "dele",
Li.

4 comentários:

  1. Quando a internet chegou, eu já era um velho...
    Hoje, quando vejo a facilidade que a rede e as ferramentas sociais oferecem, tenho orgulho do meu passado, de suar a camisa, de fazer um trabalho quase que de detetive para descobrir informações de alguém que eu era apaixonado... Agora é tudo molezinha...
    Agora, a diversão, eu acredito que seja a mesma.
    Amores platônicos são sempre ótimos. São sempre perfeitos... até se tornarem reais.
    Ótimo post.
    Beijão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Quando a internet chegou, eu já era um velho..." KKKKKKKKKKKKKKKKK acontece, né? Particularmente, eu prefiro muito mais quando a conversa (ou qualquer outra coisa) é cara a cara, como era antigamente. Mas seria mentira se eu dissesse que toda essa tecnologia não me ajuda. KKK Obrigada pelo comentário. (:

      Excluir
  2. ahahaha acabou de me descrever!!!! Abrir o facebook dele todo dia, entrar no messenger só por ele! Gostei! E é horrível, amar tanto alguém que tudo que se quer é saber que essa pessoa está bem, é ver os eu sorriso sua satisfação. =/ complexo!!
    http://literatium.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. UAEHAUEHAUHAUEH' Com certeza. E o pior é que esse "alguém" raramente te corresponde, ou pelo menos NOTA o seu interesse. )=

      Excluir