"Querido Papai Do Céu,

A mamãe e o papai brigaram ontem, outra vez.
Acho que por causa de uma tal de "Camila" que ligou aqui para cara, querendo falar com o papai. A mamãe reclamou, dizendo que ela já tinha ligado outras vezes, e que ela não estava entendendo que tanta ligação era aquela, que ele não podia falar no trabalho, no dia seguinte. O papai a ignorou, e subiu para o quarto de hóspedes. Se trancou lá dentro, e eu sei disso porque a mamãe subiu as escadas e tentou abrir a porta. Não conseguiu.
Terminou de jantar de cara emburrada, e nem quis ver o desenho que eu fiz durante a tarde. Éramos nós três, em um parque. Eu acho que ficou bem bonito, e talvez tente mostrar de novo, outro dia. Quando ela estiver menos brava.
Mamãe me mandou ir para a cama, mas não foi comigo. Pedi para ela ler uma história, e ela disse que não, porque estava muito cansada. Perguntei se o papai poderia ler, e a mamãe reclamou, dizendo que o papai era um emprestável que nada faria, senão pôr um par de chifres na cabeça dela.
Não entendi muito bem o que ela quis dizer, mas não discuti. Admito que tentei espiar por cima do cabelo dela, tentando encontrar alguma coisa além da sua raíz. Não vi nada.
Dormi direitinho, mas acordei durante a madrugada, com os gritos que vinham lá da sala. Mamãe e papai estavam gritando muito, muito alto, e acho que nem estavam notando. Não quis levantar da cama, porque fiquei com medo quando o papai disse alguma coisa como: "Vou embora daqui. Estou falando sério. Vou embora e não vou voltar nunca mais."
Não quero que o meu papai vá embora, Papai do Céu, então faz ele ficar, por favor. Não sei se vai adiantar eu Te pedir isso, porque Você não me ajudou quando eu Te pedi para que eles parassem de brigar, mas eu ainda vou tentar.
Eles brigaram até de manhãzinha, quando papai finalmente disse uns palavrões e saiu do quarto. Fechei o olho e fingir estar dormindo, porque sabia que ele ia até o meu quarto me dar um beijo, como fazia todos os dias de manhã. Dessa vez, ele demorou mais do que o normal. Ficou lá, passando a mão no meu cabelo. E quando finalmente me deu um beijo, disse baixinho: "Vou sentir falta disso."
Acho que ele quis dizer que estava com saudades de mim, mas não sei porque ele estaria, afinal nos vemos todos os dias. Ele saiu do quarto chorando. E eu quis correr atrás dele e perguntar por quê. Mas achei melhor não.
Depois disso, umas duas horas mais tarde, mamãe veio me chamar. Mal sabia ela que eu já estava acordada. Tomei o café da manhã quietinha, e subi de novo para o meu quarto. Então comecei a escrever para o Senhor.
Então, Papai do Céu, por favor, faz o papai ficar feliz, porque ele parecia estar muito triste. E a mamãe também não queria sorrir, então faz ela ficar feliz também, tá? Se eu soubesse como, eu mesma faria. Mas só tenho sete anos, e não sei bem como entender tudo isso. E Te peço de novo: faz eles pararem de brigar tanto...
Obrigada, Papai do Céu.
Beijos, e até outra carta. Carol."

Um comentário:

  1. Oie td bom?
    Desculpe a demora pra responder viu, ainda tô na depre rsrs
    Brigadão pela visita viu ^^
    Beijão e sorte pra gente em 2012 =D

    ResponderExcluir