O mundo quase cinza.

Chegou em casa de modo diferente costumava chegar. Todos na vizinhança sabiam quando a menina inquietável voltava da escola.
A van buzinava, os cachorros latiam, pedras voavam, era mirava nos muros, nas árvores, em um gato. Aquele gato em especial, Ferdinand, ela odiava aquele gato. De resto, tinha pena até de formiguinha. As empregadas faziam o sinal da cruz, o rádio era ligado no máximo, ouvia-se o som da menina aliviando a calor na piscina. De roupa e tudo, a mãe quase pirava.
Esse era o jeito que Lia chegava. Era o jeito que sempre fora.
Mas hoje, a rua permaneceu numa calma, tão estranha e pesada, que Dona Marta, da casa ao lado, bateu palmas no portão, aflita.
- Rita, sua filha está bem? Passou mal? Chegou da escola? Ai, minha nossa senhora, eu ouvi no Jornal que eu um cara doido...
- Martinha, está tudo bem. Lia está no quarto, estudando.
Marta arregalou os olhos, totalmente descrente, levando as mãos a boca.
- Jesus tem poder!

As pernas iam e voltavam, iam e voltavam. Não juntas, alternadas, agitadas. Tudo bem, ela poderia estar até mais quieta hoje, mas nada chegava ao extremo, era óbvio que não estava estudando. A mochila jazia no mesmo canto em que fora jogada horas antes. E ficaria lá até o dia seguinte.
O que acontecera fora sério! Lia não podia levar um dia normal, pois nada estava normal agora, suas estruturas foram todas abaladas. Não entendia mais o mundo como costumava entender.
A verdade era que aos seus plenos 9 anos de idade (e não deboche, pois gente velha tem uma mania infindável de inferiorizar os sentimentos dos mais novos), descobrira que o mundo era feio, injusto, sem graça.
Tinham tido uma aula de sociologia (ela não dava essa matéria, mas Tia Carminha de História faltou, o colégio então substituiu com o primeiro coitado que passou, Fábio, que de 'Tio' não tinha nada, e só dava aula para criança grande). Tinham aprendido que os pais pagam para o governo para melhorar a rua. Mas tem gente nesse 'governo' que ao invés de pegar o dinheiro e melhorar a rua, guarda no bolso.
Que pessoas covardes! Lia não pegava um único chiclete que não fosse dela! C omo todo mundo confiava num cara desses? A Silvinha fez pose de revoltada, falou bonito e disse que vai virar política para consertar... Mas furou a fila da cantina 15 minutos depois, que lógica tinha nisso?
Que hipocrisia! Quer dizer que além de não mais haver confiança no mundo, não havia mais verdade, palavra...
O mundo era feio, e as pessoas eram horrorosas. Ela tinha assistido o canal de notícias, ao invés do de desenho, as pessoas matavam, roubavam, e tudo por nada, egoístas e concentradas nelas mesmas. Uma menininha foi morta pela amante do pai...
"Pobre menininha" - pensou Lia, "o que tinha a ver com a amante do pai? Podíamos ter sido amigas." Suspirou. Para Lia, toda criança pode ser sua amiga.
As pessoas mentiam, afinal, tiravam vantagem de tudo e viviam buscando a oportunidade de puxar o tapete de quem chamam de 'amigos'. Crescer na vida, crescer, crescer, crescer, e fazer os outros de degraus?
Lia não entendia.
Fechou a cortina, trancou a porta, emburrada, talvez ficasse no quarto para sempre. Jogou-se no pufê, cruzou os braços.
O vento empurrou as cortinas. Um feixe de luz cruzou o quarto. Deixando no chão uma passarela de cores maravilhosas, só para ela. Esticou as mãos em concha, como se quisesse recolher um pouco daquela beleza. Tinha ali, só para si um arco-íris, as cores do mundo.
E entendeu que ele era único, lindo, e ainda fazia parte do mundo, e se, e se fosse essa a tal da esperança?
E deviam haver no mundo gente linda (por dentro) para vê-lo com ela. Pôs o arco-íris no bolso e saiu para espalhá-lo, afinal, o mundo, apesar de tudo, meus doces, continua bonito.

Like Coke, acredite, os bons são maioria (:

~
Aconteceu comigo:
Alguém: Eu vejo todo o amanhecer, tenho hábitos noturnos estranhos. rs
Moonday: Eu vou ver hoje, já que vou virar a noite mesmo rs, uma vez eu vi um lindo.
Moonday (um tempo depois): Aaah, eu vi o amanhecer *-* Mas aqui amanheceu feio, mal deu para ver :s
Alguém: Nunca amanhece feio.

Aprendam, com essas e outras, viver continua sendo muito perfeito (:

7 comentários:

  1. Textos maravilhosos, adorei essas frases da lateral.
    Parabens !
    Beijos :*

    -http://meustextosprediletos.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Amei o texto, simplesmente perfeitoo! Escreve mto bem vc. Vou seguir, se quiser retribuir.. http://rejane-ferreira.blogspot.com/

    Beijos! =)

    ResponderExcluir
  3. olá,
    gostei da visita e do comentário,vc escreve muito bem, parabéns!
    o meu blog aos poucos coloco trechos de historias que escrevi a um certo tempo, misturados com letras de musicas e frases...
    sim, a escrita é um eterno aprendizado, tenho muito que melhorar rs
    valeu!
    *.*

    ResponderExcluir
  4. Nossa, muito lindo o texto,você escreve muito bem, quando tiver um tempo da uma passadinha no meu blog :
    http://luamanchadadesangue.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Se levarmos em consideração apenas as coisas ruins da vida, devemos perder as esperanças agora. Mas se quisermos ter uma chance, precisamos sentir a beleza do que ainda nos resta.

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. lindo o texto, você escreve muito bem. seguindo
    http://whatawonderfulblue.blogspot.com/

    ResponderExcluir