Fanática.


Minh'alma, de sonhar-te, anda perdida.
Meus olhos andam cegos de te ver!
Não és sequer razão do meu viver,
Pois que tu és já toda a minha vida!

Não vejo nada assim enlouquecida...
Passo no mundo, meu Amor, a ler
No misterioso livro do teu ser
A mesma história tantas vezes lida!

"Tudo no mundo é frágil, tudo passa..."
Quando me dizem isso, toda a graça
Duma boca divina fala em mim!

E, olhos postos em ti, digo de rastros:
"Ah! Podem voar mundos, morrer astros,
Que tu és como Deus: Princípio e Fim!..."

Fanatismo. ESPANCA, Florbela. Poemas de Florbela Espanca.

Quis deixar minha mente repousar sobre um ombro aconchegante, quis fechar os olhos e despreocupar-me, quis resumir meu mundo a um único ser. O ser mais perfeito e mais amável do Universo, do qual, tal como Deus, duvido da existência.
Mas tão diferentemente da mulher apaixonada que escrevera o poema que acabei de ler, a muito perdi a virtude do fanatismo.
Fosse minha vida talvez mais bela, mais fácil, mais leve, se concentrasse cada respiração nele, cada pensamento direcionado a ele, e minha felicidade tão absoluta, estaria representada no seu sorriso.
Sinto falta de ser fanática.
Sinto falta de fazer de mim um pedestal para o amado. Chamam de tolas as mulheres que assim o fazem, pois as aguarda desilusão, e rirão, com certeza, da idiotice delas próprias ao lembrarem a importância que deram a mais um idiota como qualquer outro. Faço aqui meu convite para deixarem de lado a humilhação, e concentrar-se na felicidade que sentiram, com simples atos deles.
Lembram-se, tolas, do sorriso que surgia em suas faces quando ele dizia, ou apenas digitava "Eu te amo"? O quão verdadeira e fácil era a alegria daquele momento? Onde mais conseguiram reecontrá-la?
Lembram-se da voz humilde da razão, dizendo-lhes que ele poderia estar escondendo a verdade, tecendo doces mentiras? Ah, não lembram. Esta não existia, não foi capaz de sobreviver em seu coração apaixonado, foi sufocada.
Minha vida foi desfanatizada. Sou incapaz de me manter feliz o suficiente e confiante o suficiente de novo. Incapaz de cegar meus olhos, e lhe resumir cada batimento. Minha vida tornou-se, de maneira melancolicamente racional, fria e realista. Invejo vocês, tolas, até quando choram mais do que aqueles homens puderam imaginar que fossem capazes de chorar por eles, pois você só chora pagando sua alegria genuína. Não sou incapaz de ser feliz, mas jamais encontrarei felicidade tão absoluta em um amor.
Ele diz que me ama. Eu o amo. Pode acabar a qualquer momento. Mas não estou aqui para convencer-lhes de serem como eu, desfrutem de minha inveja, e concentrem-se no Deus amado que rege seu mundo.
Aproveitem o doce fanatismo.

6 comentários:

  1. Estou surpreso com o final. Fiquei imaginando, durante quase todo o texto, pessoas que se entregam ao amor, choram, fazem drama, sem medo. Que se humilham pelo outro. Tenho certa inveja dessas pessoas. Não sei como se faz para se apaixonar por alguém. Mas então aparece a palavra Deus, com d maiúsculo e o sentido da leitura mudou, mas continuou fazendo sentido para mim. Gosto muito disso xD

    ResponderExcluir
  2. Estágios, fases da vida. Acredito que são muitas as que passaram por isso. Mas, rs, sinceramente, sou daquelas que quando sentem algo assim admira mais o sentimento do que o próprio que 'inspira' à princípio tal sentimento. E com isso mudo o foco, o ser outrora amado passa a ser simples peça indispensável para me orgulhar do que sinto - e não por quem sinto. Acho injusto, porque é quase como sugar a pessoa, passar de um estado verdadeiro pra uma farsa... mas os textos que rendem, rsrsrs, ah, os textos que rendem de tal situação são tão tocantes que eu não me privo de umas escapadas dessas com frequência controlada.
    .
    Não consegui evitar uma conexão entre sua 'inveja' e o que li em 'as boas mulheres da China', sobre a ignorância. Tudo é bom, belo e justo quando não se consegue ver o quadro todo. Estar cega e não perceber o que se passa é uma condição pro amor e pra felicidade de muitas pessoas. Um lindo texto bem sincero posto em palavras tocantes, como vc sempre faz com muita habilidade. Até o próximo post.

    ResponderExcluir
  3. muito bom esse texto!


    passa la? opinioespromundo.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Ás vezes amor sufoca, prende, ilude, é egoísta, é insano, mas qdo se encontra um amor reciproco é inevitável não se jogar e não vivenciar tudo que ele nos traz, seja na dor, ou seja na felicidade mesmo que momentâneas...

    ResponderExcluir