Inspiração é Gente.

Vocês já devem ter notado que eu ando na fase mais “inspiração-fugiu-de-casa-e-não-levou-a-chave” de todo o meu tempo aqui no Meros Mortais. Não vou nem forçar a minha mente à trabalhar e pensar em uma boa desculpa (ou uma boa mentira) para o meu sumiço e para as minhas faltas constantes. Só... Procurem entender. Ser “duas” está me cansando. Ou vocês não faziam ideia de que o meu nome de verdade não era “Litch”, e que a minha vida não é blog, escrita, inspiração, bar, blog, escrita, inspiração, bar...?
O caso é que, de uns dias pra cá, eu tenho começado a notar um padrão interessante tanto na minha vida quanto na vida das pessoas que me cercam. Na maneira como elas agem, respiram, se perfumam, falam, sentam... Enfim. Tenho dado uma de fofoqueira e prestado uma atenção ferrada na vida dos outros, basicamente.
Resolvi, portanto, procurar uma maneira de por isso em um texto, sem que ficasse ambíguo, tipo: “Maria tinha sempre aquela rotina chata.” Não quero saber da rotina de Maria; quero que a Maria tenha uma rotina interessante o suficiente para virar uma personagem.
Se vocês ainda não captaram a mensagem, vou deixa-la mais clara: Digam-me quem são vocês. É isso, principalmente. Não precisam dar seus nomes, endereços ou telefones, mas exponham suas vidas, nem que seja no “anônimo”. Falem sobre as suas manias mais estranhas, sobre seus medos, suas inseguranças, seus sonhos, seus planos, seus piores e melhores beijos, sua opção sexual, sua mãe e sua avó, suas perdas... Abram-se no Meros Mortais.
Porque é disso que se trata: ser quem somos. Não ter medo de mostrar à mim, ou à Moon, ou aos outros leitores, ou à quem quer que seja que vocês acordam e piscam sete vezes antes de se levantar, porque assim o dia de vocês vai ser bom; que vocês sempre sobem a escada com o pé direito; que comem um pedaço de chocolate todos os dias; que gostam do idiota mais nojento da sua sala; que tem medo de não saber beijar; que a sua música preferida é a do Barney; que você tem medo da solidão; que seus amigos não confiam em você, ou vice-versa.
Exponham-se, mostrem quem são. Agitem esse blog de design simples com as suas palavras. É daí que surgem os nossos personagens, as nossas “aventuras literárias”. Temos personagens nascidos de pequenos textos, de conversas avulsas, de músicas, de pessoas que vimos uma vez na vida, de leitores (aposto que vocês já sabiam dessa), de namorados, de inimigos, de pessoas que nos fazem – ou não – falta. Temos personagens saídos da vida, mas não necessariamente da nossa.
Então, por favor, não tenham medo de arriscar só dessa vez. Digam aqui: “Meu nome é João, eu sou gay, moro com meus pais, odeio alface, adoro tartarugas e, todos os dias, leio revistas de moda sobre os cobertores, na tentativa de saber mais sobre o assunto e ganhar fama nesse meio, embora seja obrigado à fazer faculdade de engenharia de produção.”
Deixem que seus corações falem, pelo menos dessa vez. Sirvam de inspiração não para a mim ou para a Moon, mas uns para os outros. Gritem (não em caps lock) quem são. Divirtam-se. Criem coragem.
Quero só ver quantos de vocês vão ousar serem vocês mesmos. 

(Okay, ficou totalmente "auto-ajuda", mas a proposta é séria. Deixem-se falar pelos comentários. E comentem mesmo! O Meros Mortais não é só personagens escondidos que bebem ou fumam ou tem suas vidas quase-estabilizadas. Aliás, não é nada disso. Vocês são o MM. Façam jus ao título.)

8 comentários:

  1. Haha, dificil falar sobre mim mesma, mas beleza, é . . . meu nome é Cecília, 16, morro de medo do vestibular, tenho mania de comer doces, tenho medo de ficar sozinha, acho que não seria tão forte se nao tivesse as minhas amigas ao meu redor, acho que nunca sorri de verdade, me considero uma pessoa triste e chata. Haha, to até me sentindo melhor \ô/

    shakespearementiu.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aeeeeeee! HAHAHAHAHA' Que bom que se sente melhor, linda! A ideia era justamente essa, obrigada por ser a primeira a se "aventurar". *--* (Só uma observação: adoreeeeei a url do seu blog - que é lindo, por sinal - e estou te seguindo. hihi)

      Excluir
  2. Oie, bem sou nova por aqui mais vou participar (: Antes de tudo adorei o seu jeito de escrever...vamos lá !

    Meu nome é Priscila Ramos,tenho 17anos,junho faço 18.Não sei por que penso tanto nos meus 18 anos,é como se fosse uma fase mais alta.Moro com minha mãe,irmão e avó.
    Sou completamente complexa,por vezes contraditora dos meus próprios sentimentos.Meu problema?Sou intensa demais,sinto demais e isso acaba me deixando mal.Sou super preocupa com as pessoas a minha volta,e acabo esquecendo de mim...
    Rs, acho que é isso ...
    beijoooos

    http://rascunhosperdiidos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Ola! Adorei o seu Blog,continue divulgando que você terá sucesso.
    Peço um favor,quando puder,passe no meu Blog e entre nos Links que estou disponibilizando!
    Eu testei todos eles e realmente não é CALOTE E NEM FRAUDE.
    Achei o método melhor do que aqueles que prometem mundos e fundos se você adquirir algum produto e revender,portanto a decisão final fica com você!Se puder acessar e se gostar se cadastre.Desde Já Agradeço.
    http://ganheclicandonanet.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Meu estilo de vida não me deixa ter amigos. As coisas acontecem muito rápido para mim. Não tenho tempo de sair, de ir ao cinema com calma, de ir a lanchonetes. Também não faço questão. Outra característica minha é me enjoar das coisas e pessoas muito rápido. Não consigo conviver demais com uma pessoa só. Preciso mudar, conhecer outras, que não ficarão por muito tempo. Entende? Não vejo nada de errado nisso. É apenas a forma como minha vida acontece. E isso não me causa problemas.Não faço questão de ter amigos. Não sinto falta. A pior parte é o preconceito. As pessoas tem aquela velha opinião formada de que para alguém ser feliz, ela precisa se sociabilizar. Coisa que não é verdade. Podemos levar uma boa vida apenas respeitando o próximo, sem nos envolvermos profundamente com eles. Então as pessoas me veem sozinho e pensam que estou esnobando-as.
    O que estou fazendo é apenas não entrando na vida delas e impedindo que entrem na minha. Quero mostrar a todo mundo a forma como vejo o mundo. Essa é a única forma de sociabilizar que gosto; escrever. É por meio da literatura que me comunico, digo o que penso e descubro o que outras pessoas pensam também.

    ResponderExcluir
  5. Uma vez eu li que quem se define se limita, mas discordo. Acho que em cada definição de nós há sempre mudança, que é o que somos. Eu sou uma pessoa muito contraditória e acredito que muitas pessoas o sejam.
    Ultimamente fiz um teste de personalidade (no site inspiira.org - com dois i's mesmo) e o resultado foi 'INFP - Idealista'. Achei muito interessante e indico, pois é baseado na teoria de Carl Jung e mais duas pessoas, no entanto as estatísticas são em relação aos EUA.
    Sobre sua proposta eu acho que nós podemos servir de personagens diferentes para nossos textos e que estes se baseiam na nossa realidade. Mas também me instiga muito ser personagem do texto de outra pessoa porque isso deixa claro como a gente percebe que o outro nos percebem. Há tantas versões de nós mesmos...e as qualidades ou características que devem ser citadas variam de texto pra texto.
    Eu vejo como mais interessante descobrir as pessoas, estudá-las...

    ResponderExcluir
  6. Sou apenas um pedaço de carne perdido no mundo.Tenho caído constantemente nas minha subidas ao céu em busca do amor daquele anjo que ontem mesmo estava comigo.E nessas quedas eu sangro tanto...Quando eu crescer quero ser poeta, mas enquanto isso não acontece eu vou compartilhando pedaços de mim, assim como se chama meu Blog.

    ResponderExcluir
  7. Vim convidar-lhes ao meu blog novo:
    http://narcisoprostituido.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir