Inveja.

Ah, se eu pudesse ser como você! Se eu pudesse ter um milésimo dessa personalidade forte, dessa simpatia doce, desse conhecimento negro. Se eu pudesse, pelo menos uma vez, ter um pouquinho dessa sua habilidade de encantar as pessoas, de atraí-las, de fazê-las simpatizar comigo... Ah! E essa sua capacidade de fazer perguntas, iniciar conversas, ser interessante? Se eu a tivesse, se eu pudesse, se eu fosse como você é...
Há dias lhe observo, detalhe por detalhe, do outro lado da cerca branca que nos divide, e tento aprender a jogar esse seu jogo, a viver essa sua vida. Tento reproduzir, dentro da minha família semelhante à tua, cada um dos seus passos, cada um dos seus pensamentos. E falho. Não há um dia que eu não fracasse nessa minha missão, nessa minha ideia de ser como você é.
Por que? Por que não posso ser assim, como você? Por que não posso sorrir com a mesma vontade que você sorri, não posso ser tão meiga, tão desejável, tão pura? Por que eu não consigo fazer as pessoas se sentirem tão próximas de mim em pouco tempo? Por que você consegue, e eu não?
Ah! Se eu pudesse ser como você... Se eu pudesse, eu seria. Não pensaria duas vezes, não me preocuparia em deixar nada para trás. Se eu pudesse, pegava a sua vida e fazia dela a minha. Ah! Se eu pudesse...

3 comentários:

  1. Tem um selo pra vocês. Passa no meu blog http://meuuniversopeculiar.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Olá! Adorei o blog de vocês!
    Conheci-o por um link através do blog do Steve (que, por acaso, comentou acima, rs).
    Os textos são super bem escritos e altamente reflexivos!

    Com relação a este, em específico, me peguei pensando em duas vertentes. Não sei se existe uma espécie de "inveja do bem", mas, se existe, seria como a que vocês descreveram. Não inveja... Acho o termo meio pesado. Talvez uma "inspiração". Acho normal olharmos para alguém e admirarmos nessa pessoa exatamente aquilo que não temos ou aquilo que não conseguimos fazer/ser. Mas acho que existe uma linha tênue entre a admiração sadia e a ruim, e elas podem ser facilmente confundidas ou ultrapassadas.
    O exemplo está no próprio texto: “Ah! Se eu pudesse ser como você... Se eu pudesse, eu seria. Não pensaria duas vezes, não me preocuparia em deixar nada para trás. Se eu pudesse, pegava a sua vida e fazia dela a minha”.
    Creio que a melhor maneira de encarar uma situação desse tipo é tentar fazer desabrochar em si próprio aquilo que você procura no outro. Muitas vezes achamos que o outro tem algo a mais ou melhor do que nós, e nem mesmo tentamos explorar nossa real capacidade.
    É válido lembrar que, às vezes, não gostamos de algo em nós mesmos, mas existem pessoas que dariam tudo para ser metade do que somos. E, deixando de ser o que somos, podemos estar privando o mundo de conhecer algo completamente único e especial!

    Espero que não tenha falado nenhuma bobagem, rs.
    Mais um vez, parabéns pelos textos!
    Estou seguindo!
    Abraços =]

    ResponderExcluir
  3. Se é verídico esse relato, tenho pena dessa pessoa que pensa assim. Querer viver, ter, ser, saber, fazer, tudo como outra pessoa, é lamentavelmente triste e desprezível. A inveja é simplesmente a PIOR coisa que já ví.

    Gostei do texto, foi bem escrito. Parabéns!

    Abraços. =)

    ResponderExcluir